sábado, junho 26, 2010

# 19 Poemagem


photo by Brigitte Heinsch



»


Mas que sei eu




Mas que sei eu das folhas no outono
ao vento vorazmente arremessadas
quando eu passo pelas madrugadas
tal como passaria qualquer dono?
Eu sei que é vão o vento e lento o sono
e acabam coisas mal principiadas
no ínvio precipício das geadas
que pressinto no meu fundo abandono
Nenhum súbito lamenta
a dor de assim passar que me atormenta
e me ergue no ar como outra folha
qualquer. Mas eu sei que sei destas manhãs?
As coisas vêm vão e são tão vãs
como este olhar que ignoro que me olha



Ruy Belo,
in
Todos os poemas

2 comentários:

AM disse...

Mim gosta disto.

Eu, Lu disse...

São milhares os olhares que ignoramos que nos olham...E os nossos olhares são milhares e milhares de vezes ignorados...Não importa...importa olhar e sabermos que, em algum lugar, em algum momento, um olhar nos olha....
Bjssssssss com um olhar de muito carinho não ignorado