sexta-feira, maio 28, 2010

# 16 Poemagem

interludio  20maio
photo by Mariana Newlands








Quando aqui não estás



o que nos rodeou põe-se a morrer
a janela que abre para o mar
continua fechada só nos sonhos
me ergo
abro-a
deixo a frescura e a força da manhã
escorrerem pelos dedos prisioneiros
da tristeza
acordo
para a cegante claridade das ondas
um rosto desenvolve-se nítido
além
rasando o sal da imensa ausência
uma voz
quero morrer
com uma overdose de beleza
e num sussuro o corpo apaziguado
perscruta esse coração
esse
solitário caçador




Al Berto

sábado, maio 22, 2010

biblioteca sintra
Photo by me ( Sintra)






Não .....me ..... demores
Não .......me..........embrulhes na voz

sexta-feira, maio 21, 2010

# 15 Poemagem

p
photo by Erica Shires





Um dia sem esperar, entraste na minha janela
vida como as aves entram pelas janelas,
sem querer.

Este “sem querer” ficou entre nós.





Lídia Martinez,
in
Um adeus perfeito

quinta-feira, maio 13, 2010

# 14 Poemagem


photo by Adriana O.




pergunto se posso dizer o teu nome a uma flor
flor o teu nome sussurrado pétala a pétala
letra a letra uma flor desfolhada na terra



José Luís Peixoto
In
A Criança em ruínas,2007







segunda-feira, maio 10, 2010

Até sempre

Ao António
( até sempre meu querido amigo)




fp
Photo by me







A morte chega cedo


A morte chega cedo,
Pois breve é toda vida
O instante é o arremedo
De uma coisa perdida.
O amor foi começado,
O ideal não acabou,
E quem tenha alcançado
Não sabe o que alcançou.

E tudo isto a morte
Risca por não estar certo
No caderno da sorte
Que Deus deixou aberto.



Fernando Pessoa

quinta-feira, maio 06, 2010

# 13 Poemagem


photo by Janne Peters






E, se de repente
voassem dos teus olhos
duas pombas azuis?


Então sim, poeta,
cairia pela primeira vez no mundo
o espanto da primavera completa!












José Gomes Ferreira
in
Poeta militante, 1º volume