sexta-feira, abril 23, 2010

# 11 Poemagem


photo by Leda Cruz









FOMOS MANHÃ

Fomos manhã,
fomos manhã e
despimo-nos,
vestindo-nos apenas da cor azul

Fomos manhã,
fomos manhã na natureza
perdidos num bosque
onde o negro lentamente
se deixou substituir pela cor grená

Fomos manhã,
fomos manhã e bebêmo-nos
como se fôramos àgua,
como se fôramos sumo
escorrendo-nos nos dedos,
molhando-nos a pele

Fomos faunos,
fomos verdes,
fomos de todas
as cores da manhã

Fomos manhã
e sumimo-nos…



Poema inédito de Alexandra Malheiro
( com um obrigada especial por o ter disponibilizado*)






1 comentário:

Eu, Lu disse...

Gosto de ser o entardecer, lilás,uma tênue linha entre o dia ativo e a noite aconchegante.....o transforma-se, o tornar-se......