sexta-feira, abril 30, 2010

# 12 Poemagem



Photobucket
photo by Tyler E. Nixon




Cada árvore é um ser em nós



Para ver uma árvore não basta vê-la
uma árvore é uma lenta reverência
uma habitação perdida
e encontrada
À sombra de uma árvore
o tempo já não é o tempo
mas a magia de um instante que começa sem fim
a árvore apazigua-nos com a sua atmosfera de folhas
e de sombras interiores
nós habitamos a árvore com a nossa respiração
com a árvore nós partilhamos o mundo com os deuses


António Ramos Rosa

sexta-feira, abril 23, 2010

# 11 Poemagem


photo by Leda Cruz









FOMOS MANHÃ

Fomos manhã,
fomos manhã e
despimo-nos,
vestindo-nos apenas da cor azul

Fomos manhã,
fomos manhã na natureza
perdidos num bosque
onde o negro lentamente
se deixou substituir pela cor grená

Fomos manhã,
fomos manhã e bebêmo-nos
como se fôramos àgua,
como se fôramos sumo
escorrendo-nos nos dedos,
molhando-nos a pele

Fomos faunos,
fomos verdes,
fomos de todas
as cores da manhã

Fomos manhã
e sumimo-nos…



Poema inédito de Alexandra Malheiro
( com um obrigada especial por o ter disponibilizado*)






terça-feira, abril 20, 2010

sábado, abril 17, 2010

# 10 Poemagem

poemagem10
Photo by Robert Vizzini




Espuma Calcária


Toda a inércia
Se reduz ao movimento
Dos telhados caiados
Pelo vento




Daniel Faria,
in Poesia, Edições Quasi

sexta-feira, abril 09, 2010

Poemagem # 9


photo by Adriana O.





O problema de ser norte



Era um verso com árvores à volta.
Tinha o problema de ser norte
e dia e tão contrário à natureza.
Era um verso sem ar livre
mas com árvores em círculo
e eu no centro, em baixo, nas escadas
de pedra, cheia de verde e de frio
e a pensar que continuo a não entender
a natureza contrária aos meus olhos.
Pois se as árvores são a única
paisagem deste verso, a toda a volta,
e eu no fundo, em baixo, nas escadas
de pedra ainda, se voltando-me, morrendo,
serão elas ainda a única paisagem deste verso,
como poderei amá-las
sem que

um
raro
silêncio ainda

me interrompa?



Filipa Leal,
in O Problema de Ser Norte,
Editores, 2008

quinta-feira, abril 01, 2010

# 8 Poemagem

velas
foto de Brian W. Ferry


Gasto a noite a escrever recados.O envelope estremece
no fogo oculto das mãos. As palavras aguçadas na pequena
chama dos ourives morrem de bolor.Seta inútil num estojo
de vaidades.

+

Alberto Serra
in

O Aparo do Demónio
....