domingo, fevereiro 14, 2010

# 1 Poemagem


Duas bloguers que amam as mesmas formas de Arte.
Uma ideia que tornou forma.Uma proposta aceite.
Uma partilha feita de Poemas e Imagens.
Aconteceu #Poemagem no
O Tempo e o deserto.
Uma "Oficina" onde ambas "vestimos" poemas com imagens, e imagens com poemas.
Cada uma de nós, alternadamente, tem esse compromisso.
Obrigada
Dri por me convidares para este desafio!


foto de George Song
*
*

Onde não pode a mão

Como se uma estrela hidráulica arrebatada das poças.
Tu sim deslumbras, Por coroação:
por regiões activas de levantamento:
por azouge da cabeça,
Brilhas pela testa acima,
Ceptro : potência - ah sempre que o chão crepita
dos charcos de ouro,
E no corpo trancando a veias
e nervos : o sangue que se afunda e faz tremertudo, Tocascom um arrepio de unha a unha
o mundo, Pontada
que te abre e aumenta
ou
- onde se um troço dessa massa
intestina: e como respirada: às queimaduras
primitivas - Boca:sexo: vivezadas tripas: uma glândula que te move
ao centro, Amadureces como um ovo, Na traça carnal: todocom um golpe com muita força para dentro
Cortaram pranchas palpitando de água:
fincaram-nas,Montaram esta casa: suas membranastrémulas: a potência
do chão, Este astro opulento entreaberto
pelas labaredas,
Com uma chaga na camisa: grita,
Há alguém que grita com uma imagem
em combustão saída
do corpo: comoa parte de fora de um planeta,
Que se não toque nunca nas bolsas onde
pulsa a água,
Que se não toque nas torneiras
onde se ata o gás:nos pontos
de tensão por onde o gás rebenta,
A morte está tapada em qualquer parte
dos dedos
enredados em qualquer parte
da matéria
tremenda sob os dedos, A matéria que mata
por fogo ou afogamento,
E na garganta como o ar faz o som
a morte faz um grito:
um estrangulamento, O gás brilha muito:
a água brilha:
no interior de tudo brilha tanto
o medo
como uma força, Respirando: ahjubilação da cara: o sangue dentro
na sua malha sensívelcanta canta, O lirismo é louco: aterra,
O tronco:
a dor de um músculo
arroteado
fremindo,Este uso
luminoso imposto ao mundo
das paisagens, Assim sobre o pescoço
dispõe-se disto - carne
martelada por fluxos e refluxos entre
as formas e o assombro,
A comida por exemplo há que tragá-la,
Há que escoar a água
pelos ralos
da terra: ou entre os braços côncavacomo uma estrela há que
sustê-la, Há que sorver veneno gás: umdelírio tóxico,Há
que ter a transparência da morte,
É preciso ser dental: ter entranhas: ser igualao furor das coisas:
da metáfora
das coisas, Um pouco de acrescento
manual ao raio que destroça
a mão, Ou engolir no tubo assoprado
tanto
do ar do fundo, Há que ser
ferramenta de música.

Herberto Helder
in
Ou o poema contínuo,
Assírio & Alvim, Set 04



Sem comentários: