sexta-feira, julho 25, 2008

nevogilde

foto por Teo Dias







"Dorme na mesma cidade em que durmo, respira o mesmo ar , deve maldizer o mesmo céu permanentemente húmido, continuamente chuvoso; percorre certamente as mesmas ruas que eu, admira-me durante estes anos todos não ter dado de caras com ele, ir a atravessar numa passadeira, olhar para o carro que parou por causa do semáforo vermelho e vê-lo, sorrindo-me por trás do vidro embaciado, faz-me confusão nunca o ter encontrado nos cafés, nos cinemas, nas discotecas, que faz, com quem se dá, em quem afoga a sua ternura amordaçada, quem beijará antes de adormecer, como vive fora dos meus limites, do meu alcançe agora que sou um pássaro à solta, afiando as garras do desprezo em cada conversa, em cada encontro, em cada beijo torcado ao de leve para provocar o desejo violento de outros beijos. [...]
[...]Quem és que realmente nunca cheguei a saber, o que és que não me deste, que não me deixaste absorver para ser mais eu dentro do que queria ser tua, ser tua como nunca fui e agora tenho medo de ser."
*
Rodrigo Guedes de Carvalho
in
Daqui a nada

domingo, julho 06, 2008

Obrigada por te lembrares Pd **

+
Photobucket

colagem por Nachotta

*

"..E as árvores despidas, o vento, a chuva, os anúncios luminosos de Lisboa, tudo tinha o teu nome e me falava de ti, tudo era ao mesmo tempo, tentação e perdição.Ou talvez só o amor do amor, a melancolia da cidade à chuva, a tristeza dos eléctricos vazios atravessando a noite a tilintar, a solidão da grande cidade, os sapatos molhados e o orgulho ferido, perdido de amor, perdido como nunca ninguém por ninguém, senão eu, em Lisboa por ti."

^Manuel Alegre
in
A terceira rosa