segunda-feira, agosto 27, 2007

*

É tarde sentir-te - nos dedos a raspa ácida do limão.Consegues fazer-me 1 sorriso se entrares por aí e me ofereceres 1minuto da tua voz...30 segundos se for um murmúrio, 5 segundos se for um hálito.
Tu a fazeres-me sentir.Eu a fazer-te sentir.
"LEVA-ME CONTIGO E AJUDA-ME A FICAR" - esta é do A.Lobo Antunes e é para a recordares.
Resiste; resiste.Vá anda resiste-me!Suporta todas as minhas dores de silêncio.Quebra-te à tua pele.

quarta-feira, agosto 15, 2007


Foto de David Nebreda
ver aqui



" Uma intromissão que exige o álcool, que se põe,embebido em algodão, na ferida que reabriu para que de novo arda, palavras aflitas de uma conversa [..] E depois o regresso a casa com o corpo anestesiado,a música aos berros, a vontade de que tudo se desfaça no instante para o qual falta a coragem.Chegar a casa a agarrar a última garrafa e nas tuas fotografias até me virem os vómitos,as lágrimas,o ranho que expulse de mim o que guardo no mais fundo e me traz a vida vazia e inútil.Tenho tanto medo de encontrar que mesmo nunca te encontrando estás mais presente que todos os que vejo girar à minha volta."

*
Pedro Paixão
in Amor Portátil







domingo, agosto 05, 2007

Photoshop by me _ Porto
*
PRAÇA DOS LEÕES

*
Estou aqui à tua espera
num café na Praça dos Leões
Combinei um encontro contigo pelo telefone
prometeste que desta vez não faltarias
Estou aqui à tua espera
as mãos suadas a testa suada não sei como controlar a minha ansiedade
Tenho combinado inúmeros encontros contigo
através de bilhetes postais ramos de violetas bombardeiros apaixonados
amanhã à quatorze horas no hall de entrada do Grande Hotel do Universo
nas retretes nos jardins nas margens do rio Douro
Estou aqui à tua espera
Aliás desde que me conheço que não faço outra coisa
senão estar à tua espera
Disseram-me que tinhas o nome e o corpo duma mulher
que eras uma nuvem branca ou uma aurora boreal
Estou aqui à tua espera
Já passam algumas horas sobre a hora marcada
Hoje decerto que não vens
Mas eu continuarei à tua espera
Daqui a dois mil anos ainda aqui estarei à tua espera
No fundo eu sei que nunca te vou encontrar
Que tu
talvez estejas nisso mesmo:em nunca te encontrar!



Jorge de Sousa Braga