terça-feira, março 13, 2007


Há um prenúncio de morte, lá do fundo de onde eu venho, os antigos chamam-lhe renho, novos ricos são má sorte.É a pronúncia do Norte, os tontos chamam-lhe torpe.Hemisfério fraco outro forte, meio-dia não sejas triste, a bússula não sei se existe, e o plano talvez aborte.Nem guerra, bairro ou corte, é a pronúncia do Norte.Não tenho barqueiro nem hei-de remar, procuro caminhos novos para andar, tolheste os ramos onde pousavam da geada as pérolas as fontes secaram.Corre um rio para o mar e há um prenúncio de morte.E as teias que vidram nas janelas, esperam um barco parecido com elas, não tenho barqueiro nem hei-de remar, procuro caminhos novos para andar.E é a pronúncia do Norte, corre um rio para o mar.
*
GNR
*
photo by me( Porto)

7 comentários:

Rose disse...

É incrivel como determinadas coisas têm impactos tão diferentes consoante os contextos em que estão.

Beguinha disse...

Uma grande canção, daquelas que se ouvem com orgulho.

blue kite disse...

sempre gostei muito desta canção. Por ser puramente nortenha, por ser dos GNR e por eu achar que o dueto improvável entre eles e a senhora do grupo de cantares de Manhouce.

Corre o rio para o mar.. há uma outra que diz..

Run like a river to the sea .. (One tree hill, U2)

Ah, e caso não te tenha dito nos últimos tempos.. és uma artista, carago!

AM disse...

"Procuro caminhos novos para andar..."

Nan disse...

GNR. Gosto.

Há muito tempo até escrevi uma coisa tendo como pano de fundo o Julieta Suicida (Su & Sida).

O Reininho tem vindo a decepcionar-me. Mas vale sempre pelo percurso.

Beijo

Jane & Cia disse...

E um caminho parece desenhar-se na textura de uma estrutura citadina... talvez a norte.

Brilhante a ilustração para esta incontestável música.

Um belo Sopro

Musician disse...

Sem dúvida uma música especial e bem feita!

Um beijo*