terça-feira, novembro 28, 2006


Foto de Bruno Espadana / tirada daqui
.
.
.

YOU ARE WELCOME TO ELSINORE
.
Entre nós e as palavras há metal fundente
entre nós e as palavras há hélices que andam
e podem dar-nos morte violar-nos tirar
do mais fundo de nós o mais útil segredo
entre nós e as palavras há perfis ardentes
espaços cheios de gente de costas
altas flores venenosas portas por abrir
e escadas e ponteiros e crianças sentadas
à espera do seu tempo e do seu precipício
Ao longo da muralha que habitamos
há palavras de vida há palavras de morte
há palavras imensas, que esperam por nós
e outras, frágeis, que deixaram de esperar
há palavras acesas como barcos
e há palavras homens, palavras que guardam
o seu segredo e a sua posição
Entre nós e as palavras, surdamente,
as mãos e as paredes de Elsenor
E há palavras nocturnas palavras gemidos
palavras que nos sobem ilegíveis à boca
palavras diamantes palavras nunca escritas
palavras impossíveis de escrever
por não termos connosco cordas de violinos
nem todo o sangue do mundo nem todo o amplexo do ar
e os braços dos amantes escrevem muito alto
muito além do azul onde oxidados morrem
palavras maternais só sombra só soluço
só espasmo só amor só solidão desfeita
Entre nós e as palavras, os emparedados
e entre nós e as palavras, o nosso dever falar
.
.
MÁRIO CESARINY (Lisboa, 1923)Pena capital (Assírio e Alvim)

7 comentários:

blue kite disse...

adoro este poema!!! E tinha uma grande esperança que tu tb :)

Vou retribuir com um outro dele que também gosto.

lembra-te

Lembra-te
que todos os momentos
que nos coroaram
todas as estradas
radiosas que abrimos
irão achando sem fim
seu ansioso lugar
seu botão de florir
o horizonte
e que dessa procura
extenuante e precisa
não teremos sinal
senão o de saber
que irá por onde fomos
um para o outro
vividos

P.S. Gostei muito, muito da foto.

blue kite disse...

of-topic.. comprei a edição deluxe do u2 18. E só essa vale as pena pelo DVD e o livrinho. Não compres a edição normal. É mais barata, mas mais vale comprar mais tarde e ter the real thing.. que é even better than the real thing.

Rose disse...

E as palavras que o silêncio faz de nós.

Beguinha disse...

Entre nós: elas. As palavras.

Sempre perfeitas, as tuas escolhas.

Adriana Oliveira disse...

"...há palavras de vida há palavras de morte
há palavras imensas, que esperam por nós
e outras, frágeis, que deixaram de esperar
há palavras acesas como barcos"

Este é um dos excertos que mais gosto de Cesariny! A foto é linda, adoro o trabalho do Bruno! ***

A. disse...

sim.sempre...o dever falar.






...o dever dizer que sempre fui sentindo um sopro.este.assim brando e doce.o teu.





um beijo.

eyes shut disse...

há pessoas que simplesmente não deviam poder morrer...