terça-feira, outubro 04, 2005

O som
de uma draga,
ao longe tira a areia do rio;
e não digas que não o ouves
que estás morta
ou que
não o finges.
É um som que embala
ou que espera a noite.
- as noites querem-se claras ou escuras?
OU SOU EU QUE TEM MEDO DAS NOITES?
de TODAS?Ou
só desta?
OU DE MIM? - é...
é da noite em mim
que tenho medo :
a noite do medo de mim.
Era tão
mais fácil
se fosse do ruído da noite...

8 comentários:

TMara disse...

sendo da noite em nós é terrível Tira-a de ti, lança-a aos ventos. Bom feriado. bjs e ;)

Anónimo disse...

gostei essencialmente da sensação que conseguiste transmitir de falta de ar. resultou.

(old-mirror.blogspot.com)

damadespadas disse...

"Deixarás de ter medo, quando deixares de ter esperança."Podem parecer-te duas coisas inconciliáveis, mas a seguir há esperança segue-se sempre o medo.
beijo nocturno

Folha|em|Branco disse...

Nada é fácil quando o medo é sem luz.

Beguinha disse...

Dá passos em frente, sentindo o receio, fazendo frente ao pânico, desafiando o medo! Mas avança, mesmo na escuridão.

Maria do Céu Costa disse...

Estive a conhecer o seu blog e vi aqui selecções que me agradaram e também outros textos que aqui encontrei. Cumprimentos.

Musician disse...

Sempre lindos os teus posts.
Beijinho grande*

BloodyMary disse...

As noites nem se querem claras nem escuras...querem-se cinza!

Medo...noite...
Medo do ruído dos pensamentos que se libertam...e que ecoam incessantemente...
Angustiantes momentos de introspecção...

Adorei...simplesmente brutal!

Beijo*