segunda-feira, agosto 29, 2005

Para o que quer que seja é preciso algo

taken by me @Porto
.
.
.
Para nunca mais mentir
.
.
para ver
para dar
para estar
para ter
para ir
pra sorrir
e entrar
para rir
pra voltar
a tentar
pra sentir
e mudar
pra voltar
a cair
para me levantar
para nunca
mais tentar
mentir
pra crescer
para amar
para ser
o lugar
pra viver
e gostar
de gostar
de viver
pra fugir
pra mostrar
pra dizer
pra ter paz
pra dormir
pra fingir acordar
para ser
derramar
para nunca
mais tentar
mentir
.
.
Ornatos Violeta

quinta-feira, agosto 25, 2005

when loves come to town
Alvalade 2005 @ U2
.
.
Alguém pode converter-se numa presença lancinante nas nossas vidas..
Quando alguém nos acontece, transfigura o próprio sentido da nossa existência.
[...]
O amor chega-nos com doçura, é doce.
Mas o perigo do amor é que traz consigo também a amargura.
A amargura é a presença do fim.
[...]
O amor é um animal selvagem que chega até nós em silêncio.
Aloja-se em nós e ocupa cada ponto do nosso corpo,mais,
toda a nossa vida. O seu poder de contaminação
é total. Basta um só olhar. O amor é esse conflito permanente
e completo : liberta e agarra, é doçura e amargura, refaz e desfaz,
ressuscita e adormece, faz-nos sonhar e confronta-nos com a realidade pura e dura,
dá à luz. Mas também tem o poder de nos matar.
No amor oscilamos entre tudo poder ser e nada poder ser,
a impossibilidade de tudo.
É este o amor, é esta a nossa vida:
.
:
Pedro Paixão in Ladrão de fogo

sexta-feira, agosto 19, 2005


taken by me
@Porto
.
.
.

Stay with the demons you drowned
Stay with the spirit i found
Stay and the night would be enought
:
@BonoVox

:
:
.
De noite tudo é transparente demais.
De noite tudo é lúcido demais.
De noite tudo é escandalosamente
.............
repetido até à exaustão
e esqueço-me que não vale a pena repetir a palavra FIM





quarta-feira, agosto 17, 2005

Há momentos, em que nem a voz dos outros, nos chega para aliviarmos o que balança no nosso peito.
Por agora resta-me recordar o que foi escrito certamente
com sangue em papel de cetim;pois como disse Jonh Lennon
"Escrever uma canção é sentarmo-nos e abrir uma veia"
destas palavras
aqui escritas,


estas da foto queria ter sido eu a escrever
ao meu pai

Tough, you think you’ve got the stuff
You’re telling me and anyone
You’re hard enough

.
You don’t have to put up a fight
You don’t have to always be right
Let me take some of the punches
For you tonight
.

Listen to me now
I need to let you know
You don’t have to go it alone
:
And it’s you when I look in the mirror
And it’s you when I don’t pick up the phone
Sometimes you can’t make it on your own

.
We fight all the time
You and I… that’s alrightWe’re the same sou
lI don’t need… I don’t need to hear you say
That if we weren’t so alikeYou’d like me a whole lot more

:
Listen to me now
I need to let you know
You don’t have to go it alone
And it’s you when I look in the mirror
And it’s you when I don’t pick up the phone
Sometimes you can’t make it on your own

:
I know that we don’t talk
I’m sick of it all
Can - you - hear - me – when – I -Sing, you’re the reason i sing
You’re the reason why the opera is in me…
Where are we now?I’ve got to let you know
A house still doesn’t make a home
Don’t leave me here alone...

[...]




quinta-feira, agosto 11, 2005

Foz do Douro
taken by me
.
.
Será para este rio que ainda não encontrou o mar
que este seu "olhar" se perde?
:

.


taken by Gil Ferreira

segunda-feira, agosto 08, 2005

_______________________________________
_______________________________________
_______________________________________


PA & B

________________________________________
________________________________________
________________________________________

dentro daquilo que tu sabes