sábado, fevereiro 19, 2005

TU
Com esse teu ar
de arcanjo negro
pálido e magro
triste e alheado
ficas por vezes quase etéreo
calado
enquanto eu te olho docemente
Num espanto condenado
quase místico
debruço-me secreta à tua beira
e numa espécie de prece
porque existes
alheado - magro
belo e triste
estou de joelhos,
meu amore
beijo-te
Mª Teresa Horta


do filme de Wim Wenders
"As asas do desejo"

Sem comentários: