domingo, dezembro 19, 2004


aguarela e lápis de cera

Não falei contigo
com medo que os montes e vales que me achas
caíssem a teus pés...
Acredito e entendo
que a estabilidade lógica
de quem não quer explodir
faça bem ao escudo que és...

Saudade é o ar
que vou sugando e aceitando
como fruto de Verãonos jardins do teu beijo...
Mas sinto que sabes que sentes também
que num dia maior serás trapézio sem rede
a pairar sobre o mundo
e tudo o que vejo...

É que hoje acordei e lembrei-me
que sou mago feiticeiro
Que a minha bola de cristal é folha de papel
Nela te pinto nua
numa chama minha e tua.

Desconfio que ainda não reparaste
que o teu destino foi inventado
por gira-discos estragados
aos quais te vais moldando...
E todo o teu planeamento estratégico
de sincronização do coração
são leis como paredes e tetos
cujos vidros vais pisando...

Anseio o dia em que acordares
por cima de todos os teus números
raízes quadradas de somas subtraídas
sempre com a mesma solução...
Podias deixar de fazer da vida
um ciclo vicioso
harmonioso do teu gesto mimado
e à palma da tua mão...

(...)

Desculpa se te fiz fogo e noite
sem pedir autorização por escrito
ao sindicato dos Deuses...
mas não fui eu que te escolhi.
Desculpa se te usei
como refúgio dos meus sentidos
pedaço de silêncios perdidosque voltei a encontrar em ti...

É que hoje acordei e lembrei-me
Que sou mago feiticeiro...

...nela te pinto nua
Numa chama minha e tua

Ainda magoas alguém
O tiro passou-me ao lado
Ainda magoas alguém
Se não te deste a ninguém
magoaste alguém
A mim... passou-me ao lado

_______________________"A carta" @ Toranja







5 comentários:

Anónimo disse...

Estava prometido e tinha de vir até aqui... perder-me contigo deixar-me embalar por este teu sopro.
Gostei vou voltar e, por agora, apenas quero dizer isto!
Um beijo, com cumplicidade! Andreia R.

Folha|em|Branco disse...

"...silêncio, imenso
E dor
E pior, meu amor
A lembrança que descansa
Os olhos teus dos meus...
Adeus!"

Cimbalina disse...

Toranja êta fruta mais azeda!
Mas a música não... gosto de paradoxos...

João Garcia Barreto disse...

Os "Toranja" foram uma revelação... O Tiago escreve de uma forma divinal. Descreve momentos numa canção como se estivesse a escrever uma simples carta para alguém especial... ou não... Oxalá se mantenham assim. Mais uma referência para o que faço...

Anónimo disse...

tanto*