quarta-feira, outubro 20, 2004

"(...)está hoje um dia de vento e eu gosto do vento. O vento tem entrado nos meus versos de todas as maneiras. Só entram nos meus versos as coisas de que gosto.O vento das árvores,o vento dos cabelos, o vento do universo,o vento do verão. O vento é o melhor veículo que conheço.Só ele traz operfume das flores. Só ele tráz a musica que jaze á beira-mar em agosto.Mas só hoje soube o verdadeiro valor do vento. O vento actualmente vale oitenta escudos. Partiu-se o vidro grande da janela do meu quarto"

5 comentários:

Cimbalina disse...

"Por isso sopra doido
e o que foi,
do corpo alado,
nas asas do turbilhão.
Nisto já nem
de ar preciso,
só meras brisas,
raras..."

Sérgio Godinho

João Garcia Barreto disse...

Necessito de um sopro... Alguém me sopre ao ouvido... Não necessito de um beijo, preciso de um bafejo, mas sentido...

notanymore disse...

"Pergunto ao vento que passa
notícias do meu país
e o vento cala a desgraça
o vento nada me diz."

Manuel Alegre

como a manhã disse...

...sopros...

PQ disse...

Blow in the wind