quarta-feira, setembro 22, 2004


Descendo p´ró Tejo
@sombrArredia



"Esta névoa sobre a cidade,o rio,
as gaivotas doutros dias, barcos, gente
apressada ou com o tempo todo para perder,
esta névoa onde começa a luz de Lisboa,
rosa e limão sobre o Tejo, esta luz de água,
nada mais quero de degrau em degrau."
Eugénio de Andrade

Sem comentários: